segunda-feira, 31 de agosto de 2015

O que trinta e um de agosto significa pra mim


Hoje é dia 31 de agosto, o que para muitos religiosos também é dia de São Raimundo Nonato. Mas o que eu tenho a ver com isso? Sim, tenho a ver muitas coisas, não pelo fato de que a lenda diz que agosto é mês de desgosto, mas pela ligação que tenho com Raimundo Nonato, meu verdadeiro nome.

Já citei algumas vezes que não gosto do meu nome e que esse dia, não tenho boas recordações, pois veja bem:

Existem três pontos que vou citar aqui, que te fará entender o motivo de tudo isso, não pelo fato de ser evangélico hoje, e mesmo não querendo levar isso pelo lado religioso, não tem como deixar de mencionar, pois foi justamente através disso que tudo começou.

Minha mãe tinha um desejo de ter um filho homem, vez que os primeiros, tirando os abortos que ocorreram, os que nasceram vivos eram mulheres, sendo que, no desejo de ter um filho homem e muito religiosa na época, se apegou ao “santo”, e que devido a sua grande fé, ocorreu o esperado, quando então vim ao mundo no dia 03 de dezembro de 1971, na cidade de Santa Luzia, chamada e conhecida como Santa Luzia do Tide.

Com o nascimento vieram também as complicações e as preocupações, principalmente com sua saúde, o que debilitada e praticamente sem forças, aquele sonho, o desejo de sua vida, viu sendo desfeito, a ponto de com apenas dois meses de vida, ter que me entregar para uma tia, sua irmã caçula, que me adotou como filho, porém, o que me intriga até hoje, é porque, meu pai que na época estava vivo, permitiu que isso acontecesse, resolveram se desfazer de um sonho. Seria tão grande a falta de recurso, pobreza? Mas deixa pra lá.

Três coisas ficaram marcadas na minha infância, sendo que as duas primeiras foram algo fora da normalidade, coisas que não acontece com qualquer um, sendo que uma delas me serve até hoje, a outra nunca mais se repetiu, e a terceira e última, só de lembrar me causa arrepios, pois foi muito forte o que aconteceu.

A primeira coisa que ocorreu, foi que por três vezes adivinhei. É sério! Não é brincadeira, foram apenas três vezes e nunca mais, pois até hoje não entendo o que foi aquilo, sendo que uma delas foi noticiar para os parentes a morte de meu pai, o que seria normal e até causasse desconfiança, se ele morasse perto, se soubesse que estava doente, se tivesse entendimento e não tivesse apenas quatro anos.

A segunda experiência foi que aos seis anos de idade, após vários meses de peleja e sem sair da primeira página da cartilha, de repente veio como que uma luz, e sem que ninguém me ensinasse, eu comecei a ler e ler e ler, a ponto de que na época, tínhamos que passar a lição para a professora, ela chamava e de pé tentava fazer a leitura pra ela, o que naquele dia disparei numa velocidade que fui até o meio daquele livro, passando de todos os alunos, e no final do ano, até ganhei um presente do colégio, pelo meu esforço e leitura.

O terceiro fato, esse é o mais complicado, pois foi justamente no dia 31 de agosto (não lembro o ano), em que brincando na beira do lago e mexendo com os pés na água, fui levado para o fundo, e ali naquela agonia, que é horrível até de lembrar, quase morria afogado, meu primo, tentou me tirar dali, mas agarrei com ele e ficávamos descendo e subindo, até que alguém apareceu, um moço apelidado de Bem-te-vi, entrou na água, e percebendo que só eu que não sabia nadar, me tirou daquele lugar salvando minha vida, aquele moço que nunca mais o vi, mas que foi preparado por Deus para aquele momento, porque Deus tinha planos para minha vida.

Adivinhar na Bíblia, não é coisa de Deus (Dt. 18.10), pois não quero usar a expressão intuição, premonição ou sei lá o que, quanto à leitura sim, posso atribuir a Deus, pois foi um verdadeiro milagre, bem como ter sido salvo de um afogamento, e o que mais ficou marcado, foi justamente porque foi no dia 31 de agosto, o que sempre nesta data me faz lembrar que Deus poupou a minha vida.

Fui doutrinado para ser católico, um grande religioso, aprendi com minha avó todos os tipos de rezas, era devoto de alguns “santos” tinha algumas imagens comigo, que na hora do aperto abraçava todas, usava também um rosário e todos os dias não dormia antes de fazer aquela penitencia, rezando nele, até porque rezava para as almas e ali citava o nome de algumas pessoas que havia morrido, tudo isso eu fazia, até ter um encontro com Jesus, mas isso é outra história.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Feliz dia dos pais

Sempre que chega o segundo domingo de agosto, sinto saudades de meu pai, e o interessante nisso, é que praticamente não tive contato com ele, não sei contar sua forma de carinho, se ele me amou, sei apenas que ele existiu, que tive um pai.

Não sei contar como seria, se um homem sério, brincalhão, muito rígido ou liberal, mas fica aquele vazio e a tristeza por não ter conhecido, tendo em vista ter falecido tão novo, porém, pelo que ouvir dizer, foi um grande homem, tanto na estatura, como em pessoa, o que me alegra e faz com que eu ame, mesmo sem ter lembrança do seu rosto e do seu toque, mas acredito no seu amor para comigo, porque afinal de contas, ele foi meu pai.

Postei sua foto, a única foto que tenho, postei em minha página no Facebook como uma homenagem aos pais, e uma mensagem para aqueles que tem seu pai presente e não valoriza, pois essa é a única lembrança que ficou, e que demorei mais de quarenta anos pra conhecê-lo por fotografia, o que muito me emocionou na época, pois pude descobrir e ter essa simples lembrança de como era meu pai.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Férias!

Dizem que é bom correr, chega mais rápido, mas não tenho tanta pressa assim em chegar quando estou dirigindo, mesmo que seja longa a distância, o mais importante é chegar bem, e diante de todo cansaço, acho que vale a pena ser assim, principalmente quando estou levando minha família, o que também pela graça de Deus, por maior que seja o percurso, Ele, o Senhor Deus não me permite sentir sono, até porque minha responsabilidade dobra, quando em algumas vezes olho de lado e para o banco de trás, e vejo que todos dormem, tranquilos e confiantes enquanto eu guio o veículo. 

Nestes dias do mês de julho de 2015, aproveitei um pouco de minhas férias e fui conhecer melhor a linda Goiânia-GO, desta vez com a família, passando depois pela cidade de Senador Canedo-GO, e posteriormente, uma rápida passada na cidade de Trindade-GO, vez que dias atrás havia ocorrido os festejos católico, e esperamos que acabasse, para conhecer a tão falada e movimentada cidade religiosa.

De volta para minha casa, descansei um pouco e no outro dia fui ao Maranhão, conhecendo novos lugares, pois mudei o percurso para passar em Carolina-MA, onde a 30 Km daquela cidade, pude conhecer as belezas das Cachoeiras de Itapecuru-MA, coisa linda de Deus e obra da natureza, lugar perfeito para quem deseja descansar o corpo e a mente.

Após um dia com a família, apreciando aquele lugar, fui a minha cidade Natal, mas antes conheci algumas cidades, dentre elas: Balsas-MA, São Raimundo das Mangabeiras-MA e São Domingos do Azeitão-MA, somando em todo o trajeto percorrido de ida e volta, contando com o Goiás, mais de 4.000 Km rodados.

Tudo isso vale a pena, está com a família, descansar, rever os amigos, e de volta, ter mil e um motivos para agradecer a Deus, porque viajar por uma das estradas mais perigosas do Brasil (BR 153) e sentir-se como estivesse em uma estrada qualquer, voltar para casa em paz, então posso com certeza dizer, que tudo isso é a mão de Deus, e que só tenho a agradecê-lo sempre dizendo: DEUS É FIEL!

Uma amigo mais que irmão!

Se eu pudesse voltava no tempo,
Pra de novo ter a sua companhia,
Desfrutar de tua amizade sincera,
E aproveitar cada momento de tua alegria,
Que com uma simplicidade e sem vaidade,
Tornou-se um amigo, um irmão de verdade.

Nos conhecemos em uma selva de pedras,
Que como você dizia foi Deus que preparou,
Amizade igual a tua é muita rara,
Nordestinos que em São Paulo Deus juntou,
Que mesmo de igrejas distintas,
A religião não nos separou.

Lembro-me de uma cena que ficou marcada,
Em que um dia ao conversar começou a chorar,
Porque pelo fato de sermos de igrejas diferentes,
Foi proibido pelo seu dirigente de minha igreja visitar,
E temendo perder minha amizade, me contou tudo,
Mas te falei que em relação a isso, nada ia mudar.

Quem sabe voltou pra Bahia, tua terra natal,
Pois na época voltei ao Maranhão,
E como não havia redes sociais, perdemos de vista.
Mas ficou em minha lembrança e no coração.
Dois jovens crentes que se conheceram em São Paulo,
Eu da Assembleia e você da Congregação.