quinta-feira, 25 de junho de 2015

Um grande homem de Deus

Hoje completo 26 anos que aceitei a Cristo, mas o destaque vai para essa pessoa maravilhosa que se encontra ao meu lado, Francisco Dantas, um homem de Deus que deixou saudades, e esta homenagem se faz necessário, porque foi ele quem OROU POR MIM quando aceitei a Cristo, dia 25 de junho de 1989. 

Seu carinho por mim era notório, pois todas as vezes que eu chegava na cidade de Igarapé Grande - MA, ele sempre aparecia pra me ver, e assim como um pai que vai procurar saber como o filho se encontra, ali estava ele, e lembro que sempre levava em uma bolsa, alguns folhetos para me mostrar, alguns que guardo até hoje. 

Não conseguiu títulos, como Presbítero, Evangelista ou Pastor, mesmo sendo identificado como um verdadeiro Evangelista, tendo em vista que as Assembleias de Deus não ordena ministros se não for batizado no Espírito Santo, mesmo assim tornou-se um grande ganhador de almas, um exemplo a ser seguido por aqueles que tem condições de lutarem pela obra do Senhor. 

Sempre ia nos povoados onde ainda não existia congregações, e lá pregava o evangelho, dirigindo cultos nas casas e visitando de casa em casa, daí a pouco nascia uma congregação. 

Fundou trabalho em Cariri, Bernardo, Morro dos Caboclos e Angical. Porém, nunca assumiu uma congregação pronta, mas ia aos povoados "levando a preciosa semente", muitas vezes "gemendo e chorando", mas em pouco tempo, voltava "trazendo consigo os seus molhos". 

Mesmo doente, ele não deixou de trabalhar para o Senhor, pois não podia mais ir aos povoados, mas, colocava folhetos em uma bolsa e saía pelos comércios, pelas ruas, entregando folhetos e testificando de Jesus. 

Um dia o seu filho Lourival disse a ele: “ Papai, o senhor não pode mais sair por aí com esta bolsa pesada e falando muito. Se conforme, o senhor não pode mais fazer isto”. E ele respondeu: - “Antes eu fazia o que eu podia, agora eu faço o que eu não posso”. E assim continuou fazendo a obra do Mestre amado até o último dia de sua vida.

No dia 09 de junho de 2006, às 4:00 da manhã, ele foi hospitalizado, com muitas dores no peito. Às 21:00 do mesmo dia, Deus o recolheu para si.

Nas suas últimas horas, sua filha Aldenora chorava e ele dizia: “Cante minha filha, cante!” e pediu-me que trouxesse para ele a sua Harpa e sua Bíblia. Estava ali um Apóstolo do Senhor dizendo: "... eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, e guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está aguardada, a qual o Senhor, Justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda" II Tm 4.6-8.

Nenhum comentário:

Postar um comentário