quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Não posso desistir


Não posso pensar em desistir,
Mesmo que seja grande o desejo em mim,
Se olhar para o presente bate um desanimo,
Por aquilo que no passado conquistei,
Alguns frutos que colhi nessa jornada,
Que por algumas razões não segurei.

A frieza tomou conta de alguns,
Outros são frios e cometem ingratidão,
Tem os que não valorizam o meu trabalho,
E os que torcem pela minha decepção,
Esquivam-se de fazer a obra, pura rebeldia,
E não está comigo na oração.

Quando levanto os olhos percebo,
Que muitos frutos ainda vou colher
Ainda existe o campo que está maduro,
E muito trabalho ainda por fazer,
Lançar a foice e colher os novos frutos,
E o passado procurar esquecer.

Vejo que alguns ainda sonham,
Uma minoria tem o desejo de avançar,
É por eles que persisto e que prossigo,
Que são a razão para eu não parar
Poderia está em outro lugar, outra igreja
Mas é aqui que o Senhor que me honrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário